quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

FLOR EM AÇO, "FLORALIS GENÉRICA”, EM BUENOS AIRES, QUE SE ABRE E FECHA TODOS OS DIAS


















As fotos nocturnas e a primeira não são da minha autoria. 

O monumento "Floralis Genérica", da autoria do arquitecto argentino Eduardo Catalano, é uma escultura metálica, inaugurada no ano de 2002, localizada na Praça Naciones Unidas, bairro de Palermo, Buenos Aires (Argentina).

Construída sobre um espelho de água de 44 metros de diâmetro. Toda em aço inoxidável, cimento e alumínio, tem seis pétalas, 23 metros de altura e pesa 18 toneladas. Seu nome tem como definição uma síntese de todas as flores e ao mesmo tempo uma esperança que renasce cada dia ao se abrir.

Fica ao lado da Faculdade de Direito da Universidade de Buenos Aires. Uma das características da flor é um sistema eléctrico que abre automaticamente e fecha as pétalas, dependendo da hora do dia. Geralmente esta flor abre-se todas as manhãs às oito horas e fecha ao pôr do sol. Há só quatro noites em que as pétalas permanecem abertas: 25 de Maio; 21 de Setembro; 24 e 31 de Dezembro.

 Durante a noite a flor fecha e emana de seu interior um brilho vermelho até se  abrir pela manhã. Este mesmo mecanismo que abre a flor faz com que esta se feche na presença de ventos fortes. Quando da inauguração, problemas técnicos impediram que se fechasse, mas estes foram resolvidos dois meses depois.

Nova avaria grave ocorreu em 2010 e , dados os elevados custos da reparação, ficou inactiva até 10 de Junho de 2015, dia que foi posta em funcionamento, após reparação do Eng. Salvador Sorbello, da Universidade Tecnológica Nacional da Argentina.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Cinco dos mais belos painéis de azulejos de Portugal


Estação de São Bento (Porto)


A Estação é célebre pelos seus painéis de azulejos de temática histórica. Cobrindo uma superfície de cerca de 551 metros quadrados, representam, principalmente,cenas passadas no norte do país, estando retratados, entre outras cenas, o Torneio de Arcos de Valdevez, a apresentação de Egas Moniz com os filhos ao Rei Afonso VII de Leão e Castela, no Século XII, a entrada de D. João I e de D. Filipa de Lencastre no Porto, em 1387, e a Conquista de Ceuta, em 1415; um friso colorido, no átrio, dedica-se à história dos transportes em Portugal, concluindo com a inauguração dos caminhos de ferro. Foram instalados entre 1905 e 1906 pelo artista Jorge Colaço, que, nessa altura, se afirmava como o mais popular azulejador em Portugal.






Estação do Pinhão (Alijó) «Lagar de Vinho»

A estação dos caminhos de ferro do Pinhão é conhecida pelos seus 24 painéis de azulejos que retratam paisagens do Douro e aspectos das vindimas.
Em tons de azul, os azulejos são da autoria de J. Oliveira e foram encomendados à fábrica Aleluia, de Aveiro, em 1937.




Igreja Paroquial de Válega (Ovar)

A Igreja da Válega é uma verdadeira obra-prima da arte da pintura do azulejo e, sem sombra de dúvida, uma das mais impressionantes igrejas em Portugal.
 Ao pôr-do-sol, a fachada da igreja, virada para poente, é particularmente bela, banhada pelos raios de sol. Um verdadeiro templo dourado que brilha com os seus fantásticos azulejos de múltiplas cores.





Fachada da Casa Viúva Lamego (Lisboa, Av. Almirante Reis)

Construído entre 1849 e 1865, este edifício integra o conjunto de arquitectura industrial que foi a Fábrica de Cerâmica Viúva Lamego, tendo funcionado como loja da mesma. Classificado como Imóvel de Interesse Público, apresenta uma fachada decorada, na sua totalidade, por um revestimento azulejar figurativo do séc. XIX, de gosto romântico-revivalista, muito característico do seu autor, Luís Ferreira, mais conhecido por “Ferreira das Tabuletas”, que recorrendo à técnica da faiança pintou os azulejos na referida fábrica. Considerada uma das obras-primas do azulejo “naif” oitocentista, esta fachada foi, também, um dos exemplos pioneiros do azulejo utilizado como meio publicitário.





Capela das Almas (Porto)

O revestimento é constituído por 15.947 azulejos que cobrem cerca de 360 metros quadrados de parede. Os azulejos que revestem a capela são da autoria de Eduardo Leite e foram executados pela Fábrica de Cerâmica Viúva Lamego, em Lisboa. Datam de 1929 e representam os passos da vida de São Francisco de Assis e de Santa Catarina, que são venerados na capela. Na fachada principal, destaque para o vitral que representa as almas, executado no século XIX, pelo pintor Amândio Silva.

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

ALGUNS DOS MAIS DOS BELOS CASTELOS EUROPEUS

 Castelo/Palácio da Pena, Sintra, Portugal




Castelo Alcazar, Sevilha.




Castelo Neuschwanstein, Alemanha.




Castelo Hohenzollern, Alemanha




Castelo Walzin, Bélgica.




Castelo Eltz, Alemanha.




 Chateau de Chambord, França





Castelo Culzean, Escócia.




Castelo Eilean Donan, Reino Unido.




 Castelo de Windsor, Reino Unido




 Castelo Corvin, Roménia.




 Castelo Trevarez, França.




Castelo Hohenwerfen, Áustria.





 Castelo de Bran, Roménia.




Castelo de Schwerin, Alemanha